Instituto Memória - Centro de Estudos da Contemporaneidade Instituto Memória - 15 anos Instituto Memória - Televendas - 41.3016 9042
 

PESQUISA
Pesquisa por Título ou Autor/Colaborador:

Texto da Pesquisa:


clique na capa para ampliar

The new directions of the employment. As novas direções do emprego ...e a importância das redes de relacionamentos

Autor: Coordenador: Edgar Winter Júnior
Páginas: 170 pgs.
Ano da Publicação: 2017
Editora: Instituto Memória
Preço: R$ 65,00

SINOPSE

PREFÁCIO

 

O propósito deste livro que reúne conteúdos elaborados pelos ilustres professores da Faculdade de Pinhais – FAPI é mostrar a importância e o desenvolvimento do mercado de trabalho através dos anos.

Devido à extraordinária expansão do ensino superior no Brasil – há 50 anos havia apenas uma média de 150.000 estudantes universitários no Brasil, e hoje chega-se a 7.000.000 – é esse um mercado de trabalho submetido a uma concorrência selvagem em busca de bons postos de trabalho e de bons empregos, sabendo-se que os que têm a informação e os que buscam sempre se atualizar têm a chance grande de traçar o sucesso profissional.

As diferenças do atual cenário e circunstância do profissional, no mercado de trabalho, em relação aos de alguns anos atrás, constatam-se notáveis mudanças, como por exemplo, anteriormente, as pessoas se formavam, faziam um curso de graduação, retiravam seus diplomas e nunca mais voltavam à escola, ou seja, abandonavam a escola para sempre; e isso era comum e muito natural que fosse assim, porque o mundo profissional mudava em uma cadencia muito mais lenta do que atualmente. Nos dias de hoje, nota-se que a principal característica do mercado de trabalho, em qualquer profissão, em qualquer área, deve-se exatamente ao fato de que o mercado é volátil, mutante, dinâmico. Como sobreviver, navegar nesse mercado de trabalho? A resposta é bem clara: ESTUDANDO! Essa é grande matéria-prima para o profissional, nos dias de hoje, ou seja, hoje em dia o que dá dinheiro, o que sustenta alguém no mercado de trabalho é exatamente o seu conhecimento, a busca no estudo, na pesquisa, na constante investigação da sua área de conhecimento. Modernamente, deve-se estudar durante todo o período da atuação profissional; quem não estuda, não poderá compreender as mudanças que virão, terá dificuldade de adaptação, correndo sério risco de provável exclusão do mercado de trabalho. A principal característica dos dias atuais, na formação profissional, é esta: o trabalho e o estudo são indissociáveis; não mais sequencialmente colocados como eram antigamente: primeiro se ia à escola e depois se ia trabalhar.

Uma outra característica importante no mercado atual diz respeito à questão da especialização profissional. É muito importante que se adquira uma especialização, na sua área de conhecimento, mas é fundamental, também, que se estabeleça conexão, que a relação dessa área de conhecimento especializada tenha a participação com outras áreas de conhecimento e relacionamento; o profissional de qualquer área deve adquirir uma forte base de cultura geral, ou seja, é absolutamente inadmissível que alguém só conheça sua área de especialidade. O profissional que não se interage com as outras áreas põe em risco a sua própria carreira, porque nenhum conhecimento é isolado; a questão do isolamento da individualidade é uma invenção do capitalismo industrial do período e auge da indústria, de 100 anos atrás; hoje, isso não faz sentido, pois, qualquer conhecimento é útil, é necessário.

A educação superior no Brasil está experimentando um grande crescimento, nas graduações de modalidade tecnológica. Institutos de Tecnologia e Faculdades estão sendo implementados em todo o país, possibilitando aos estudantes a opção de graduação mais focada, para atender às demandas do mundo do trabalho.

O quantitativo de matrículas em cursos superiores de tecnologia foi o que mais cresceu no país, em comparação com as demais formas de graduação, conforme o Censo da Educação Superior 2009, divulgado em janeiro deste ano. Nessa forma de graduação, a elevação do número de matriculas foi de 26,1%, em comparação com o ano anterior. No ano de 2008, o país contava com 539 mil matrículas, quantidade que subiu para 680 mil, em 2009. O Censo contabilizou aproximadamente 5,9 milhões de matrículas, na educação superior brasileira.

Isso indica que existe uma enorme demanda pressionando as academias brasileiras por modalidades de graduação mais focadas em áreas do saber. A rede de ensino superior mais atenta a essas novas necessidades do mercado é a particular. Dessa forma, as instituições privadas vêm liderando a oferta de novos cursos de tecnologia no ensino superior.

Desde 2001, os cursos superiores de tecnologia vêm conquistando espaço em um contexto antes dominado pelos cursos de bacharelados e licenciaturas. Nesse período de tempo, o número de estudantes matriculados nesse nível de ensino passou de 69 mil para os atuais 680 mil. Isto representa um aumento de 985%. Para uma comparação, no mesmo período, o número de estudantes em cursos de bacharelado cresceu aproximadamente 186%.

A escolaridade precária e o treinamento rápido não são mais suficientes para o trabalho com tecnologias avançadas. Assim, a formação universitária mais objetiva surge como uma oportuna via de formação do profissional para as organizações modernas. Em países como a Espanha e os Estados Unidos, aproximadamente 40% dos cursos universitários são de modalidades específicas, visando melhor preparar o profissional que já atua no mundo do trabalho.

O Brasil ainda tem muito que avançar na formação acadêmica dos profissionais, buscando uma atuação competitiva das empresas e dos produtos nacionais.

As demandas crescentes por novas modalidades de cursos universitários mais ajustados com o mercado são indicadores importantes para a vida universitária, na perspectiva de uma ação acadêmica mais voltada para as necessidades das organizações empresariais.

Não é de hoje que vem sendo discutida, na mídia nacional, a falta de mão de obra, no Brasil. Diante desse cenário, as vagas de emprego que poderiam estar ocupadas seguem, sem pessoas qualificadas para preenchê-las. Uma pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI) revelou que a falta de mão de obra prejudica 69% das indústrias brasileiras.

Como podemos mudar essa situação?

A FAPI – Faculdade de Pinhais oferece cursos superiores de tecnologia (CSTs) que se apresentam como uma das opções para quem quer estudar e, em menos tempo, ter qualificação técnica para exercer uma profissão. Isso porque esses cursos têm, como principal objetivo, preparar o aluno para o mercado de trabalho, oferecendo disciplinas e atividades de ensino que, por meio de conhecimentos específicos e aulas práticas, capacite-o para a atuação profissional.

Outro agravante diz respeito à crise mundial, colocando a carreira profissional em risco.

Em tempos de crise, a maioria das pessoas fica mais preocupada e passa a ter previsão, criando um bloqueio e, blindando-se, esquece que atrás de cada crise existe uma oportunidade.

A carreira profissional estará em risco se você não estiver preparado.

Nessa situação, tem-se de reinventar a própria carreira, na crise.

Isso é fundamental e é o primeiro passo.

Para estudar a situação, eis algumas sugestões:

- avalie e compare seus resultados concretamente;

- compare seus resultados dentro da própria empresa: peça seu feedback para a sua empresa em que trabalha;

- veja como você está no ranking;

- compare seus resultados com profissionais de outras empresas concorrentes. Esses correspondem a um primeiro passo.

Segundo passo:

- avalie seu currículo, o quanto ele é competitivo, distribua-o, mesmo não querendo mudar de profissão e nem de empresa, distribua seu currículo e veja o quanto ele é atrativo; busque orientação de pessoas do ramo.

Terceiro passo:

- Baseados nos dois primeiros passos, faça um plano...um plano de desenvolvimento pessoal e profissional e se pergunte: que cursos preciso fazer, que livros ler, que vídeos assistir, para que concorra mais, para que seja mais competente e gere resultados maiores, para que aumente minha empregabilidade; para meu currículo se torne mais atraente, preciso fazer um plano de desenvolvimento pessoal e profissional.

Quarto passo:

- faça “coaching”; um profissional de “coaching” competente cria desafios, vai fazê-lo ver de maneira mais exigente, vai criar um processo de comparação, estabelecer um plano de ação; um “coaching” vai tirar você da zona de conforto, vai dar-lhe “feedbacks”, isso é fundamental.

Fazendo tudo isso, talvez, você não precise mais reinventar sua carreira; simplesmente, terá uma jornada profissional de sucesso. Não precisa se reinventar, sonhe grande, tenha uma meta, planeje-se, arrisque-se, foque naquilo em que você é bom, procure gente boa, seja eficiente, desenvolva uma visão a longo prazo e apenas seja o melhor.

A vida, de uma forma geral, é feita de oportunidades, que também acontecem na vida Profissional

Já dizia Marxwell Maltz, um cirurgião que desenvolveu a psicocibernética, um sistema empregado para melhorar a autoimagem e a autoconfiança, de modo a conduzir a uma vida mais bem-sucedida: A vida está cheia de desafios que, se aproveitados de forma criativa, transformam-se em oportunidades”.

Logo, para tudo isso ocorrer, é necessário estudar, pesquisar, se informar, estar certo da informação real e correta, estar preparado para aproveitar os desafios de forma criativa e transformá-los em oportunidades.

 

Fábio Schmidt

Diretor Acadêmico FAPI - Faculdade de Pinhais

 

SUMÁRIO

 

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 - NOVO CONCEITO DE EMPREGABILIDADE

Salette Silveira Azevedo, Edgar Winter Jr., Marcelo Curcio

CAPÍTULO 2 - HUMANIZAÇÃO DO EMPREGO OU RESILIÊNCIA DE RESULTADOS

Fabio Sergio Sipioni, Alexandre da Silva Gabrir, Edgar Winter Jr.

CAPÍTULO 3 – DESENVOLVIMENTO DO RELACIONAMENTO NO EMPREGO

Paulo Roberto de Araújo, Edgar Winter Jr.

CAPÍTULO 4 – CARACTERÍSTICAS QUE PROFISSIONAIS DEVEM TER PARA MAXIMIZAR OS RESULTADOS EM UMA EMPRESA

Tede William Gomes Camacho, Edgar Winter Jr.

CAPÍTULO 5 - IMPORTÂNCIA DO RELACIONAMENTO NO MERCADO FINANCEIRO

Douglas Gonçalves Moçato, Edgar Winter Jr.

CAPÍTULO 6 – A TERCEIRIZAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DA MÃO DE OBRA DO TRABALHADOR E OS DESAFIOS DA EFETIVAÇÃO DOS OBJETIVOS CONSTITUCIONAIS

Robert Carlon de Carvalho, Samira Zeinedin Chweih, Edgar Winter Jr.

CAPÍTULO 7 - OS REFLEXOS DAS OBRIGAÇÕES LABORAIS, para  DIANTE DA BUSCA PELA SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL

Janaína Elias Chiaradia, Edgar Winter Jr.

CAPÍTULO 8 - ALGUMAS DAS NOVAS FUNÇÕES DO EMPREGO

Edgar Winter Jr., Deivid Briski, Vanely de Souza Afanaci, Fernando Schmidt