Instituto Memória - Centro de Estudos da Contemporaneidade Instituto Memória - 15 anos Instituto Memória - Televendas - 41.3016 9042
 

PESQUISA
Pesquisa por Título ou Autor/Colaborador:

Texto da Pesquisa:


clique na capa para ampliar

Os Índios e seus Algozes

Autor: Milton Ivan Heller
Páginas: 168 pgs.
Ano da Publicação: 2011
Editora: Instituto Memória
Preço: R$ 35,00

SINOPSE
Por que 19 de abril é o dia do índio?
Uma data que só não cai no esquecimento porque é lembrada aqui e ali pelos jornais, com entrevistas de antropólogos ou representantes de uma ONG supostamente defensora dos índios. Por vezes repetindo melancolicamente as mazelas do passado, raramente denunciando os crimes que continuam sendo praticados e acobertados pela velha impunidade de sempre. Não há o que comemorar mas há muito a lamentar. Porque raios então esse dia do índio? Esta história começou em 1940 no México. Antropólogos, pesquisadores e curiosos reuniram-se na cidadezinha de Patzcuaro, no I Congresso Indigenista Americano. Uma reunião que teve muito bla-bla-blá e pouquíssimos índios e que não decidiu nada, a não ser consagrar o 19 de abril como o dia anual do índio, sem que alguém se lembrasse de avisar os povos da floresta. No Brasil, a pedido do general Cândido Mariano da Silva Rondon e por decreto de 2 de junho de 1943, o presidente Getúlio Vargas decretou que o 19 de abril fosse dedicado aos índios, como nos demais países americanos. O falado descobrimento do Brasil já foi badalado de todas as maneiras. Poucos autores lembram que a chegada da frota de Pedro Alvares Cabral representou parte da política expansionista de Portugal, segundo a lógica mercantilista de estabelecer e explorar colônias de além-mar. Para desgraça geral de todas as tribos, os portugueses consideravam os indígenas como seres “sem alma” que deveriam ser cristianizados e trabalhar de graça para honra e glória da metrópole e dos comerciantes lusos. E os índios que viviam sem subordinação alguma e não conheciam o conceito de riquezas baseadas na acumulação e na rapina, viram-se constrangidos a trabalhos forçados, até para substituir as bestas de carga que na Terra de Sta. Cruz não existiam. A exploração da colônia começou com a exploração do índio, quase sempre com o amparo da Igreja católica. Há estimativas divergentes e pouco confiáveis, mas acredita-se que de três a cinco milhões de índios viviam no Brasil, divididos em tribos maiores ou menores, com idiomas aparentados, em sua maioria derivados da língua tupi-guarani. Com o massacre iniciado logo após o desembarque dos marinheiros de Cabral e aventureiros que muito se admiraram da exuberância das matas de um país tropical e da higidez e o asseio dos nativos que andavam nus e banhavam-se nos rios várias vezes ao dia, perderam-se mais de 1.200 dialetos e reduziu-se drasticamente a população. A conquista dos povos pré-colombianos realizada pelas coroas de Portugal e da Espanha foi uma das mais sangrentas da história da humanidade, referida pelo filósofo Michel de Montaigne: “... quantas cidades arrasadas, quantas nações exterminadas, quantos milhões de povos passados a fio de espada. Nunca a ambição humana chegou a promover coisas tão horríveis e miseráveis”. Antes da chegada de Colombo as Américas eram habitadas por enorme quantidade de povos, cerca de 500 a 700 milhões de pessoas ou 2 0% da população mundial em fins do século XV. Principalmente na América Central e ao noroeste da América do Sul, além do México e do Peru. Para alguns historiadores no restante do continente parece ter existido um grande vazio, abrangendo a região platina, o Brasil, o Caribe e praticamente toda a América do Norte. Porém estudos mais recentes vieram problematizar este quadro e as pesquisas feitas na Amazônia brasileira indicam concentrações maiores de povos do que admitia nossa vã sabedoria, cerca de cinco milhões de anos atrás, ou em tempos ainda mais remotos. Há controvérsias, mas predomina a hipótese de que os índios do Brasil e da América espanhola chegaram a estas paragens através de grandes migrações, desde a Sibéria e o Nordeste da Ásia. Persistem muitas dúvidas e isso se deve em grande parte ao nosso sistema educacional arcaico. Os livros didáticos ainda omitem questões importantes, relativas ao papel dos povos précolombianos, a distribuição espacial das populações, sua diversidade cultural, o nível de desenvolvimento tecnológico, compreendendo desde a elaboração de calendários astronômicos que exigem cálculos matemáticos avançados e o estudo do universo, até mentalidades animistas (a crença de que todos os seres naturais possuem alma). Assim como a presença de culturas que remetem ao período paleolítico, o mais antigo da pré-história, o que não é o caso das tribos encontradas no Brasil que tinham suas leis (embora não escritas), praticavam a agricultura e tinham habilidades manuais representadas por  suas armas, cestaria e cerâmica diversificadas, redes, enfeites, colares, braçadeiras e utensílios de cozinha, armadilhas para pescar e por aí vai. Dito isso fica evidente que povos canibais e grupos coletores e caçadores conviviam com civilizações que possuíam conhecimentos científicos, desenvolvimento comercial, produção coletiva e técnicas de irrigação. O confronto com os europeus foi dramático para os indígena s  que tiveram seus padrões culturais transformados, em virtude da aculturação sofrida. A maioria dos povos simplesmente desapareceu, como os tupinambás da costa brasileira. Outros mantiveram-se precariamente à custa de incessantes deslocamentos para fugir do homem branco, das doenças que ele trazia e do trabalho forçado nas minas e serviços gerais. Além dos ataques corriqueiros aos seus aldeamentos que resultavam em mortes e aprisionamentos, e na separação entre pais e filhos. Os aventureiros que aqui chegavam em bandos vinham solteiros. Diz a lenda que as índias de grande beleza e sensualidade ofereciam-se para gerar os primeiros mamelucos que tempos depois integrariam as tropas de bandeirantes para chacinar e aprisionar índios de centenas de etnias em todo país. Mas é certo que as mulheres que repudiavam o assédio dos lusitanos eram espancadas e estupradas. Há exceções como os povos guaranis e kaigangs que ora conforma vam-se com os métodos dos conquistadores e dos colonos europeus que viriam mais tarde, ora resistiam disputando palmo a palmo as terras que haviam sido concedidas aos europeus em léguas. Lutavam de peito aberto contra inimigos bem armados e bem nutridos, ou desenvolviam tocaias e práticas de guerrilha que semeavam o pânico entre os latifundiários, os colonos, os jagunços e os militares destacados para exterminá-los. Estes e outros episódios e fatos que nos enchem de vergonha e repugnância são relatados neste livro, com algumas revelações surpreendentes. Entre elas a existência de um número maior de indígenas entre Mato Grosso e o Rio Grande do Sul do que na Amazônia, que permaneceu isolada e com precárias comunicações durante séculos, o que permitiu a sobrevivência de povos que naqueles estados foram exterminados. O Paraná foi um dos mais castigados pela violência dos europeus, registrando-se nada menos de cinco ciclos de crimes hediondos contra os indígenas. Portugueses e e spanhóis alternaram-se e aliaram-se nesta empresa sinistra. Particularmente no período em que Portugal foi subordinado à coroa espanhola, entre 1580 e 1640, quando se intensificou a caça aos índios, provocando o esvaziamento demográfico de extensas áreas, não só no Paraná mas também em Sta. Catarina. Para isso tivemos que consultar uma extensa bibliografia, recolhendo informações com espírito crítico alerta. Embora discordemos aqui e ali de suas interpretações e conclusões, é obrigatório reconhecer a contribuição de cada um, os esforços e pesquisas que realizaram para manter viva a tragédia dos índios brasileiros. Lembrar e relembrar é preciso, pois um povo que não tem memória não tem história.
MILTON IVAN HELLER: Um dia entrei no velho Diário da Tarde, de Curitiba, como “repórter”. A profissão não era regulamentada e qualquer um que soubesse ler, escrever e contar podia ser admitido. Tive que subir degrau a degrau o ofício que apesar de mal remunerado me ligava aos fatos correntes do mundo. Todo dia conhecia gente nova e aprendia alguma coisa. Achei o meu caminho. Passei pelo O Dia, o Diário do Paraná, a Rádio Cultura, Revista Panorama e em 1959 ingressei na sucursal da Última Hora, dirigida por Carlos Coelho, um mestre do jornalismo brasileiro. Aquilo era um verdadeiro Butantã, reunindo os melhores profissionais da praça, como Mussa José Assis, Jairo Régis, Adherbal Fortes de Sá Júnior, Sílvio Back, Ronald Osty Pereira, Cícero Catani, Celina Luz, Luiz Geraldo Mazza, Aramis Milarch, Maurício Távora, Maurício Fruet etc. Profissionais conscientes do papel do jornal numa época de grande efervescência política, a responsabilidade dos jornalistas no dia a dia, a obrigação de ser fiel aos fatos, de escrever de forma sucinta e objetiva, o direito de criticar e denunciar e por aí vai. Eu bebi desta água e segui em frent e, passando pela TV Globo de Minas Gerais, Jornal do Brasil, Editora Abril (Revista Placar), etc. Pendurei as chuteiras em 2001 e passei a escrever livros, sendo o último a Conspiração Nazista nos Céus da América. Último não porque apesar da minha senilidade galopante ainda tenho outros projetos pela frente. A começar por uma nova visão do Contestado, de triste memória, focalizando principalmente a história e o drama dos vencidos.
----