Instituto Memória - Centro de Estudos da Contemporaneidade Instituto Memória - 15 anos Instituto Memória - Televendas - 41.3016 9042
 

PESQUISA
Pesquisa por Título ou Autor/Colaborador:

Texto da Pesquisa:


clique na capa para ampliar

ESGOTADO - Tradição & Traição - Histórias da Medicina

Autor: Fahed Daher
Páginas: 224 pgs.
Ano da Publicação: 2011
Editora: Instituto Memória
Preço: R$ 45,00

SINOPSE

Platão, filósofo grego (427a.C), afirma que a obra existe para que nos tornemos melhores e possamos ser úteis à comunidade. Horácio, poeta e filósofo romano (65a.C), escreve: "Nós nos educamos de maneira agradável na leitura de uma obra literária". De qualquer modo que se encare a Literatura, o romance "Tradição e Traição", de autoria de Fahed Daher, tem, como objetivo, resumir-se no aspecto do "mundo" posto em xeque pela figura de Fernando, num enredo de ficção que se tece a seu redor. Torna-se, assim, Filosofia e Poesia nas digressões inter-caladas pelas palestras e poemas. Reflete o caráter emocional, envolvendo qualidades metafísicas – ética, moral e social – que transportam para a vida real os acontecimentos cotidianos. "Tradição e Traição" alcança seu ponto culminante na relação dos personagens que vão mostrando sua face, seu caráter, sua maneira de ser e de agir. A obra vai atingindo seu clímax na relação de qualidades metafísicas; o autor permite ao leitor compartilhar das frustrações que vão influir, de uma maneira ou de outra, no exercício de sua própria experiência vital, ao colocar o problema da rejeição dos valores contraditórios, evidenciando, no antagonismo do Rowar, o sub - mundo do seu "eu - profundo" egoístico e interesseiro. Os valores, que ocorrem para a ostentação da obra de ordem ética, fruem na experiência, nas qualidades do temível, do grotesco, da ambição, do desonesto representadas nos personagens Rowar e Carpato – nos momentos vividos pela angústia e incertezas, levando o personagem central, Fernando, ao drama da desilusão familiar. Tentando compensar as frustrações, o autor desvia as atenções, intercalando nas palestras a "História da Medicina", cuja digressão vai enriquecendo o conteúdo, valorizando o enredo, como disfarce das atenções, no relacionamento amoroso entre Fernando e sua esposa Zara. Há um equilíbrio emocional entre ambos pelo amor conjugal, buscando evasão nos passeios, viagens e diversões – uma fuga dos estresses, uma compensação no equilíbrio da personalidade, permitindo a sondagem da alma do autor. "Tradição e Traição" é uma obra compromissada em denunciar as formas de trapaças que acontecem, onde afloram interesses pessoais, atrapalhando o desenvolvimento empresarial. O desfecho, com o internamento de Rowar numa clínica psiquiátrica, simula algo inacabado, deixando a conclusão para o discernimento do leitor. O poema, "otário e vigarista", conclusivo, finaliza como aspiração para uma forma de vida que a existência humana, com suas inúmeras imperfeições, não é capaz de oferecer...

Braz Miranda de Sá Membro Fundador da Academia de Letras, Artes e ciências Centro Norte do Paraná. (27 de junho de 2010)

 -----------------

Fahed Daher - Nascido em Curitiba, Paraná, décimo filho de casal de libaneses vindos, ainda jovens imigrantes, e evoluindo no Brasil à custa de muita persistência e trabalho. Dividiu seu tempo entre a escola e o trabalho. Iniciou o curso universitário em Direito, mas preferiu e formou-se em Medicina. Após diplomado fez estudos de pós graduação no Hospital dos Servidores do Estado, Rio de Janeiro, seguindo para Campinas, em São Paulo, e, após, na Universidade de Santa Fé, na Argentina, mantendo a especialidade de Otorrinolaringologia e oftalmologia.  Em Rolândia (PR), 1956, fundou o Lions Club e iniciou a Associação Médica de Rolândia. Liderança política, sem nunca ter aceitado qualquer candidatura. Em 1962 mudou residência residencial e profissional para Apucarana (PR). Foi Secretário e após Presidente da Associação Médica de Apucarana.  Foi admitido no Centro de Letras do Paraná, Curitiba, em 1954. Em 1983 toma posse como acadêmico da Academia de Letras José de Alencar, Curitiba. Em 1998 assume como titular da cadeira 15 da Academia de Letras de Londrina. É membro titular da Sociedade Brasileira de médicos escritores e Delegado da União Brasileira de Trovadores. Co-fundador do Rotary Clube Apucarana Sul em 1970, foi Governador rotário do Distrito 4730 no biênio 1995/1996. Como presidente da APAE de Apucarana, 1975, encaminhou uma nova sede. Exerceu a presidência do Movimento Familiar Cristão durante 05 anos. Criou a Fundação de Ensino Técnico de Apucarana (FETAP), formando, em 5 anos da sua direção, 6.000 operários e instalando o SENAI.  Foi fundador e primeiro presidente da Academia de Letras Centro Norte do Paraná, cargo que ocupa até hoje. Conferencista, Articulista, Escritor, Cronista, poeta, é colaborador de diversos jornais no Paraná e no Brasil. É o Patrono da Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores-AVSPE.